O papel da alimentação no tratamento da dor crônica

alimentação no tratamento da dor crônica

Os nutrientes que ingerimos exercem funções diversas em nosso organismo. O papel da alimentação no tratamento da dor crônica é contribuir para um estado corporal menos inflamatório, ou seja, menos propenso a complicações.

Fazer escolhas certas, consciente da função de cada alimento em nosso cardápio diário, não é apenas fundamental. Esse cuidado é determinante para pacientes que precisam amenizar os sintomas das dores.

Nesse artigo você vai entender melhor esse assunto, conferindo algumas dicas de como se cuidar e comer bem em casa.

Afinal, o que é a inflamação do organismo?

O processo inflamatório nada mais é do que uma reação natural que acontece no organismo, buscando se defender de algum tipo de infecção ou lesão dos tecidos internos.

Estamos acostumados a associar a inflamação à vermelhidão e dor, como quando estamos com a garganta ou alguma ferida inflamada. Porém, quando acontece dentro do corpo, esse processo não é visível, mas também provoca alterações.

Quando ingerimos uma baixa quantidade de alimentos naturais, dando preferência para uma dieta rica em toxinas e substâncias que não são bem aceitas pelo nosso corpo, estamos contribuindo para esse processo inflamatório.

A ingestão frequente de aditivos e proteínas que não conseguimos digerir bem não são consideradas como alimento, mas sim como ameaças. 

Sendo assim, o corpo reconhece aquelas substâncias como perigosas, produzindo glóbulos brancos que possam combater as ameaças.

Esse processo é bem desgastante para o corpo, afinal, nosso organismo age como se estivéssemos doentes e gasta toda sua energia na missão de eliminar as toxinas. Por consequência, é comum que tudo isso resulte em fadiga, dores de cabeça e nos músculos.

Como a alimentação adequada pode amenizar a dor crônica?

Todas as lesões que acometem o corpo humano ocasionam algum tipo de inflamação. Pensando nisso, os alimentos que escolhemos podem acentuar ou atenuar esses incômodos. 

É os nutricionistas chamam de uma dieta anti-inflamatória, baseada no consumo de nutrientes que combatem essas toxinas e substâncias negativas que prejudicam o processo interno que ocorre no organismo.

Por outro lado, as dietas pró-inflamatórias são aquelas ricas em carboidratos simples, como pães, bolos, biscoitos e outros industrializados carregados em açúcar e farinha. 

Esse tipo de alimento exige uma produção muito maior do hormônio insulina, criando, a longo prazo, uma resistência a ele, que agrava o quadro de inflamação. 

Dessa forma, ao evitar esses componentes e priorizar alimentos mais naturais, o paciente estará melhorando suas condições gerais de saúde e, consequentemente, sofrendo menos com os sintomas da dor.

Dicas de como se alimentar melhor 

Podemos concluir que o papel da alimentação no tratamento da dor crônica é contribuir na função de amenizar as condições que favorecem esse quadro.

Uma alimentação saudável exige um certo planejamento, mas o segredo principal para uma dieta anti-inflamatória é uma potente combinação de elementos variados na dieta. 

É preciso maximizar o cardápio e deixar o prato sempre bem colorido, incluindo na rotina alguns componentes que ajudam a eliminar as toxinas. 

Assim, além de amenizar os sintomas da dor crônica, você também estará fortalecendo sua imunidade e se prevenindo ainda mais contra outras doenças, algo muito importante considerando o contexto da Covid-19.

Confira algumas dicas:

  • Consuma fontes de ômega 3 como, peixes, linhaça, chia, nozes e amêndoas;
  • Capriche nos temperos com alho, cúrcuma e gengibre, que são remédios naturais para infecções e processos inflamatórios;
  • Acrescente as folhas verdes às refeições, principalmente as de tom escuro como couve e espinafre, que ajudam a diminuir a acidez do organismo;
  • Aposte em frutas vermelhas como morango, amora e framboesa, que são fontes de vitamina C e antioxidantes. 

E lembre-se: se você está sofrendo com alguma dor persistente, procure um médico para que ele possa fazer uma avaliação das causas desse sintoma e indicar o melhor tratamento. Com o acompanhamento de um especialista e uma alimentação balanceada, você poderá obter resultados eficazes, diminuindo seu sofrimento.

Dores na coluna, entenda a sua dor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *